Atuação do CRQ-III na crise da água no Rio de Janeiro

O Conselho Regional de Química – Terceira Região, cumprindo o objetivo final de proteger a sociedade e durante a recente crise de abastecimento de água no Rio de Janeiro, feito pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) divulgou uma cartilha que visa tirar dúvidas frequentes dos moradores da cidade.

É importante esclarecer que as metas do CRQ-III são bem definidas e entre elas estão a fiscalização da atuação regular dos profissionais e empresas da área da Química no estado, a defesa do cumprimento do Código de Ética Profissional, com o objetivo final de proteger a sociedade.

Neste escopo, o CRQ-III mantém a fiscalização de profissionais da Química que atuam não só nesta, mas em todas as empresas no estado do Rio de Janeiro. E no caso da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Guandu, de onde sai grande parte da água que abastece a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e também do Laboratório de Controle da Qualidade da água da Cedae, responsável por garantir a qualidade desta água, ambos têm um profissional registrado no CRQ-III como Responsável Técnico.

O CRQ-III ainda realizará inspeções tanto na ETA Guandu quanto no Laboratório. Na estação, a fiscalização vai vistoriar os processos, equipamentos e controles inerentes à captação e tratamento da água para consumo humano, distribuída na Região Metropolitana do Rio de Janeiro desde 01/01/2020. O objetivo é constatar a adequação da operação das instalações destinadas ao tratamento da água às normas técnicas vigentes, preconizadas pela Portaria de Consolidação nº 05/2017 do Ministério da Saúde, para garantia do padrão de potabilidade da água distribuída.

Já no Laboratório, o CRQ-III vai verificar os métodos, equipamentos e resultados de análises inerentes ao controle da potabilidade da água distribuída pela Cedae desde 01/01/2020, a fim de constatar adequação dos controles realizados e garantir a qualidade da água distribuída para o consumo humano.

Com foco na missão de proteger a sociedade, o CRQ-III, após receber demandas da imprensa e notando o clima de insegurança demonstrado pela população, emitiu um comunicado esclarecendo algumas dúvidas e orientando quanto ao uso seguro da água.
O presidente do CRQ-III, Rafael Almada, destacou a importância de orientar a população e evitar o pânico.

“Neste momento o pânico não é um bom aliado. Esclarecemos que a água que chega com forte odor e coloração turva não deve ser consumida. No entanto, se a água se encontra transparente e inodora, deve ser filtrada, sempre, e pode ser consumida.”, afirmou Almada, que destacou ainda que há outras causas neste problema que devem ser combatidas.

“No momento de crise, aparecem algumas soluções imediatistas, mas o que precisamos é pensar soluções para cuidar permanentemente dos mananciais que abastecem o Rio de Janeiro. E muitas destas soluções envolvem o trabalho de profissionais da Química.”, concluiu o presidente.

A cartilha teve grande alcance na mídia e o CRQ destacou-se como fonte confiável num cenário de insegurança, além de servir como elemento de valorização da importância do profissional da Química perante a sociedade.