Academia Sueca das Ciências divulga vencedores do Prêmio Nobel da Química – 2017

O Prêmio Nobel da Química 2017 foi atribuído aos investigadores Jacques Dubochet, Joachim Frank e Richard Henderson “pelas contribuições decisivas para o desenvolvimento de métodos de microscopia crioeletrónica, que permite ver imagens mais detalhadas de estruturas de biomoléculas em solução”. Foi graças à técnica de microscopia crioeletrônica que conhecemos a estrutura do vírus da zika. O novo método, que permite visualizar as moléculas de organismos vivos em alta definição.

“Este método vai conduzir a bioquímica a uma nova era”, estimou a Academia, que vai atribuir aos vencedores nove milhões de coroas suecas, o equivalente a cerca de um milhão de euros.

Jacques Dubochet, investigador suíço, utilizou uma técnica de vitrificação que congela de imediato para preservar o estado das biomoléculas e estudá-las de forma mais detalhada. Em 1990, Richard Henderson, investigador britânico, conseguiu gerar uma imagem a três dimensões de uma proteína, uma tecnologia que Joachim Frank desenvolveu, conseguindo por seu turno captar imagens a duas dimensões e transformá-las para três dimensões.

Jaques Dubochet é um investigador e professor suíço de biofísica, da Universidade de Lausanne, Joachim Frank faz parte da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, e Richard Henderson faz investigação para o Laboratório de Biologia Molecular do Conselho de Investigação Médica do Reino Unido.