EnPI debate o papel da química verde e dos biomateriais na economia brasileira

A bioeconomia será o tema central do III Encontro de Pesquisa e Inovação da Embrapa Agroenergia (EnPI), que contará com um simpósio e apresentação de pesquisas a serem realizadas nos laboratórios do Centro de Pesquisa.

O evento será aberto ao público e acontecerá entre os dias 8 e 10 de novembro, em Brasília/DF. O papel da química verde e dos biomateriais será o foco dos debates, que terão três vertentes: mercado, assuntos regulatórios e desenvolvimento tecnológico.

O Encontro vai debater estratégias para o país atingir o protagonismo que potencialmente pode exercer numa economia baseada em matérias-primas renováveis, como a biomassa, ao invés do petróleo. O acordo com a bioeconomia foi firmado pelo Brasil no final de 2015, em Paris, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-21).

As matérias-primas podem vir da cana-de-açúcar, do pinhão-manso, do dendê, da macaúba, do capim-elefante e até mesmo de microalgas. Estudos querem desvendar a genética, o metabolismo, os compostos químicos ali presentes, a estabilidade dos óleos delas obtidos. Com esses dados, os cientistas podem torná-las mais produtivas, melhorar suas características, extrair delas os produtos mais valorosos.

No EnPI serão apresentados resultados de pesquisas para seleção de microrganismos produtores de ácidos orgânicos, bem como a construção de novas linhagens para posse de etanol. Outra linha de pesquisa é o uso de fungos para obter produtos com alto valor reunido a partir da glicerina, principal coproduto da produção de biodiesel.

Os microrganismos também são “fábricas” de enzimas, substâncias que têm sido apontadas como peças-chave para a indústria de base biológica. Equipes de pesquisa da Embrapa Agroenergia buscam mecanismos para produzir lipases, enzimas amplamente utilizadas na obtenção de produtos de limpeza por exemplo, de forma mais eficiente, visando à produção sustentável de biodiesel.