ATENÇÃO! Devido à situação de pandemia de Covid-19, alguns serviços tiveram seu procedimento alterado temporariamente para o atendimento online. Confira aqui.

Esclarecimentos sobre denúncias de produtos sanitizantes

Devido a dúvidas e denúncias recebidas nos últimos dias em relação a produtos sanitizantes, o Conselho Regional de Química do Rio de Janeiro (CRQ-III) vem a público orientar sobre como se proteger, ao comprar algum produto.

Os produtos devem ter em seu rótulo informações que garantam sua procedência, como o nome e os dados da empresa fabricante; os dados do profissional Responsável Técnico por aquele produto e seu devido registro no conselho profissional; e seu número de registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ainda, assim, infelizmente, em um cenário tão grave, existem atitudes inescrupulosas ameaçando a segurança da população. O CRQ recebeu denúncias de origens diferentes.

A primeira era sobre bisnagas plásticas de 60 ml de álcool gel, comercializados em bancas de jornal e nas praias do município do Rio de Janeiro. No rótulo do produto constava o nome da empresa e do Responsável Técnico pelo produto. No entanto, a empresa não fabrica o produto.

A segunda denúncia veio de um consumidor que estranhou o produto e, como também constava no rótulo um Responsável Técnico registrado no CRQ-III, procurou o conselho. Neste caso, o profissional não é mais o Responsável Técnico pela empresa e ainda o registro na Anvisa, descrito no rótulo, não existe no site da agência.

Desta forma, o CRQ esclarece que, embora as informações devam constar no rótulo dos produtos, vale sempre a pena checar com os órgãos responsáveis.

Para ser mais assertivo, a orientação é simples: desconfia do produto?

1 – Cheque se o rótulo tem as informações exigidas;

2 – Cheque, no site do respectivo Conselho Profissional, se o Responsável Técnico pelo produto é realmente um profissional registrado;

3 – Entre em contato com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se o produto tem registro no órgão.

Ressaltamos que o CRQ-III tomou as medidas cabíveis em ambos os casos.