Estudantes desenvolvem novo combustível verde

O combustível a base de ácido fórmico (HCOOH), chamado de Hidrozina, promete ser implementado até o final de 2017, na Holanda. A substância pode ser encontrada nos venenos que formigas e abelhas utilizam contra ameaças e também na conservação de alimentos na indústria.

A hidrozina é composta por 99% de ácido fórmico e 1% de um agente químico que melhora o desempenho do combustível. A pesquisa de mais de 40 alunos da Universidade Tecnológica de Eindhoven, na Holanda, já resultou no primeiro protótipo, em janeiro de 2016.

Entre as vantagens da descoberta, estão: produção apenas de água e dióxido de carbono, que pode ser neutralizado; possui uma densidade energética maior, aumentando o desempenho dos veículos; tecnologia mais barata quanto ao armazenamento; e mais seguro quanto aos riscos de explosão.

A tecnologia promissora sairá às ruas da Holanda ainda neste ano (Foto: Team Fast)

Para testar o conceito no mundo real, a equipe construiu um ônibus com sistema elétrico de direção, que recebe energia adicional do sistema de células de combustível de ácido fórmico montado em uma extensão na parte de trás do veículo.

“Nosso tanque tem cerca de 300 litros, então vamos estender a capacidade de rodagem do ônibus em 200 km. E é claro que a gente poderia fazer um tanque maior muito facilmente. Se construíssemos um carro, iríamos competir com carros elétricos. Mas acreditem, carros movidos a bateria são uma ótima solução para muitas pessoas”, disse Lucas van Cappellen, da Team Fast, empresa derivada da Universidade de Tecnologia de Eindhoven.