Importações de produtos químicos somam US$ 25,8 bilhões até setembro

O Brasil importou US$ 3,3 bilhões em produtos químicos no mês de setembro. O valor representa redução de 8,4% em relação a agosto deste ano e de 0,5% na comparação com setembro de 2015. Os produtos químicos mais importados foram os intermediários para fertilizantes, cujas compras externas totalizaram US$ 491 milhões. Já as exportações, de US$ 984 milhões, registraram queda de 8,5% na comparação com o mês anterior e redução de 14,8% em relação ao mesmo mês de 2015.

No acumulado do ano, as compras externas de produtos químicos somam US$ 25,8 bilhões, uma queda de 11,5% frente ao mesmo período de 2015, ao passo que as vendas externas alcançaram praticamente a marca de US$ 9 bilhões, valor 8,9% menor que o registrado entre janeiro e setembro do ano anterior. Em termos de volumes, entretanto, tanto as importações, de 27,6 milhões de toneladas, quanto as exportações, de 12,1 milhões de toneladas, registraram aumentos de respectivamente 11,5% e 4,0%.

O deficit na balança comercial de produtos químicos, até setembro, chegou a US$ 16,9 bilhões, representando uma diminuição de 12,8% em relação a igual período de 2015. Nos últimos 12 meses, foi registrado deficit de US$ 22,9 bilhões, o equivalente a uma retração de 9,8% em relação ao deficit de 2015, no valor de US$ 25,4 bilhões.

Para a diretora de assuntos de comércio exterior da Abiquim, Denise Mazzaro Naranjo, a aparente melhora do cenário comercial externo em produtos químicos se deve fundamentalmente ao momento econômico e não a ganhos competitivos da indústria brasileira.

“A retração do deficit em produtos químicos não significou recuperação de mercado interno para as empresas brasileiras. Isso porque os volumes importados continuam em alta, e as perspectivas da balança comercial setorial, até o final do ano, deverão estar relacionadas à conjugação de fatores conjunturais econômicos nacionais e dos indicadores de preços internacionais dos principais produtos da pauta importadora brasileira em produtos químicos”, avaliou Denise.