Indústria Química tem crescimento de 1.849 postos de trabalho

O Ministério do Trabalho divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, que apontam a continuidade de recuo de perda de postos de trabalho com carteira assinada no Brasil. A Indústria Química teve um crescimento de 1.849 postos, impulsionada pela fabricação do álcool. No caso da Indústria de Calçados, houve a geração de 1.354 postos e na Indústria Têxtil, 1.304.

Os dados do mercado formal em setembro demonstram uma perda de 39.282 postos de trabalho, menor do que o registrado no mesmo mês do ano anterior, quando foram perdidos 95.602 empregos formais. Já o estoque do mês de agosto, teve um recuo de 0,1%, chegando a 39 milhões os vínculos trabalhistas no País. O resultado de setembro originou-se de 1.142.797 admissões e de 1.182.079 desligamentos.

Dois setores apresentaram saldos positivos: Indústria de Transformação que criou 9.363 postos (0,13%) e o Comércio com geração de 3.940 postos (0,04%). O desempenho do setor da Indústria de Transformação deveu-se, sobretudo, à expansão na Indústria de Produtos Alimentícios, que foi o destaque, com 15.231 novos postos, um aumento de 0,8%.

No acumulado de 2016, a queda registrada no emprego atingiu a soma de 683.597 postos de trabalho, equivalente ao declínio de 1,72%, e, nos últimos 12 meses, verificou-se redução de 1.599.733 empregos, representando uma variação negativa de 3,94%.