Alerj debate retomada da indústria de fertilizantes

O presidente do Conselho Regional de Química – Terceira Região (CRQ-III), Rafael Almada, participou, na manhã de quarta-feira (23), de debate promovido pelo Fórum de Desenvolvimento Estratégico do Rio, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

O evento foi realizado de forma virtual, a fim de debater o papel do estado do Rio de Janeiro na retomada da indústria de fertilizantes, após o lançamento, pelo Governo Federal, do Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), uma estratégia para reduzir a dependência do Brasil das importações de fertilizantes.

O estado do Rio de Janeiro está se preparando de forma prática para assumir esse protagonismo e o evento mostrou como, com a presença de diversos atores importantes neste cenário, como a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais (SEDEERI), Presidência da República, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), empresa vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação, Porto do Açu, entre outras.

Dentre as metas do PNF está a previsão de que pelo menos quatro unidades da federação tenham planos estaduais de atração de investimentos implementados até 2025, e todas as unidades da federação que possuam potencial de produção de fertilizantes até 2030, que foi detalhada pelo diretor de Projetos Estratégicos na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Bruno Caligaris.

A criação de um Centro de Excelência em Fertilizantes, que deverá ser instalado no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), foi o foco do debate e torna-se mais urgente e necessária, principalmente devido ao conflito Rússia x Ucrânia, que colocou em destaque a dependência do Brasil em relação à importação de fertilizantes. Atualmente, 85% dos fertilizantes utilizados no país têm origem estrangeira.

O presidente do CRQ-III, Rafael Almada, falou sobre o potencial da indústria química no estado do Rio de Janeiro e no país para diminuir essa dependência.

“O Sistema CFQ/CRQs tem mais de 216 mil profissionais da Química, 26 mil só no Rio de Janeiro, e são muitos profissionais da Química atuando e em formação, que têm capacidade de alimentar esse desenvolvimento da indústria de fertilizantes no estado. A iniciativa desse debate é fundamental para fortalecer essa retomada, que será importante para a economia do país.”, ressaltou Almada.

O evento foi realizado pelo Fórum de Desenvolvimento Estratégico do Rio, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, que também atua nas articulações entre os atores de diversas esferas e que envolvem outras ações necessárias ao desenvolvimento socioeconômico do estado.

Assista o debate em: