Suposto lançamento de metal pesado na água pela CEDAE

Em virtude das últimas notícias veiculadas sobre as manobras realizadas pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) para conter a presença de geosmina na água, o Conselho Regional de Química, por meio da Câmara Técnica de Meio Ambiente (CTMA), esclarece que o produto PHOSLOCK®️, utilizado pela empresa como remediador físico-químico da água, destina-se à redução de fósforo por meio da adsorção dos íons fosfatos solúveis no meio aquático, como informado. O material é constituído de argila bentonita ionicamente modificada pela presença de Lantânio (La), que, diferentemente do que foi veiculado, é uma terra rara e não um metal pesado, e apresenta baixa toxicidade com risco não identificável para a saúde humana.
Além disso, a Portaria de Consolidação n° 5 do Ministério da Saúde de 2017, em seu Anexo XX, voltada para os padrões de potabilidade da água, assim como a Resolução CONAMA n° 357 de 2005, referente à classificação de corpos hídricos, e a Resolução n° 430 de 2011, sobre padrões de descarte de efluentes, não fazem qualquer tipo de menção a elementos terras raras, como é o caso do Lantânio, utilizado pela empresa para remediação do problema apresentado.